24.8 C
Teresina

Thiago Braz leva a medalha de bronze no salto com vara nas Olimpíadas de Tóquio

Deve ler

Interpi lança biblioteca virtual com registros fundiários históricos nesta sexta (5)

Será realizado, nesta sexta-feira (05), no Auditório do Núcleo de Práticas Jurídicas da Universidade Federal do Piauí (UFPI), o lançamento da Biblioteca Virtual de...

Vacina contra Covid-19 em Teresina: veja quem pode ser vacinado hoje e o que fazer

A Prefeitura de Teresina começou a vacinação contra a Covid-19 no dia 19 de janeiro de 2021 e vem ampliando o público-alvo conforme chegam novas...

Casos de dengue têm aumento de quase 50% em relação a 2020 no Piauí

O Piauí já registrou 2.654 casos de dengue em 2021. O número é 44% maior que os casos registrados no mesmo período do ano...

Wellington Dias apresentará Edital PRO Verde na COP26

O governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, participará da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26), que...

Cinco anos depois de se sagrar campeão olímpico nos Jogos do Rio, Thiago Braz voltou a se colocar entre os grandes da história do salto com vara. O paulista de 27 anos conquistou na noite desta terça-feira em Tóquio (manhã no Brasil) a medalha de bronze na final da prova no Estádio Olímpico da capital japonesa.

Thiago obteve como melhor marca 5,87m. A prata ficou entre o norte-americano Christopher Nilsen (5,97m) e o ouro com o sueco Armand Duplantis, recordista mundial da prova, com 6,02m. O europeu ainda tentou três saltos para 6,19m na tentativa de quebrar em um centímetro o recorde mundial, mas não capitalizou.

Thiago Braz é bronze no salto com vara - Olimpíadas de Tóquio

Thiago Braz é bronze no salto com vara – Olimpíadas de Tóquio

Assim, o recorde olímpico de 6,03m registrado em 2016 continua em poder de Thiago.

O brasileiro é o nono na história do salto com vara em Olimpíadas a somar duas medalhas no evento. Os outros foram os norte-americanos Bob Richards e Bob Seagren, o francês Renaud Lavillenie, o polonês Tadeusz Ślusarski, o japonês Shuhei Nishida e os soviéticos Igor Trandenkov e Maksim Tarasov.

Nem mesmo a maior lenda da prova, Sergey Bubka, conseguiu repetir medalhas (teve um ouro em Seul 1988 e falhou em Barcelona 1992, Atlanta 1996 e Sydney 2000).

Thiago Braz garante medalha de bronze no salto com vara — Foto: REUTERS/Aleksandra Szmigiel

Thiago Braz garante medalha de bronze no salto com vara — Foto: REUTERS/Aleksandra Szmigiel

Em nível nacional, Thiago torna-se o primeiro do país a ir ao pódio no atletismo em duas Olimpíadas consecutivas desde 2000, quando André Domingos repetiu a conquista no 4x100m rasos que tivera em Atlanta 1996. O velocista foi bronze na prova por equipes nos Estados Unidos e prata na Austrália.

A prova

O brasileiro acertou a primeira marca, de 5,55m, logo na primeira tentativa. O sarrafo subiu para 5,70m e, no primeiro intento, Thiago resvalou levemente e o deixou cair. A falha foi redimida a seguir, quando ele passou com folga os 5,70m para iniciar uma nova série de três saltos.

O desafio passou a ser a marca de 5,80m. Mas o brasileiro derrubou o sarrafo na primeira tentativa. Tal como um repeteco da primeira leva, passou na chance seguinte.

A maré pareceu mudar a partir da altura seguinte, 5,87m. O campeão olímpico contou com um pouquinho de sorte ao bater levemente no sarrafo, mas passá-lo de primeira. Na queda, Thiago comemorou muito. E não era para menos, foi a sua melhor marca na temporada – até então, seu melhor havia sido 5,82m.

Thiago Braz na final do salto com vara em Tóquio — Foto: Richard Heathcote/Getty Images

Thiago Braz na final do salto com vara em Tóquio — Foto: Richard Heathcote/Getty Images

Pouco depois dele, o norte-americano Christopher Nilsen também ultrapassou 5,82m. Mas, como tinha menos erros anteriores, assumiu a liderança, com Thiago em segundo. Com o afunilamento da prova e um vento insistente no Estádio Olímpico, a disputa começou a ficar mais tensa.

Um a um, os rivais foram se despedindo. Primeiro, o grego Emmanouil Karalis. Depois, o americano Kc Lightfoot. Em seguida, o britânico Harry Coppel. Minutos mais tarde, o polonês Piotr Lisek.

Nesse meio tempo, Thiago fez sua primeira tentativa para 5,92m e errou. Logo em seguida, falhou na segunda. Mas, um instante depois, quando o francês Renaud Lavillenie, que defendia a prata olímpica do Rio e havia sido ouro em Londres 2012, errou a segunda tentativa dele para 5,92m o brasileiro assegurou mais um pódio olímpico em sua carreira.

Fonte: GE

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui

Últimas notícias

Interpi lança biblioteca virtual com registros fundiários históricos nesta sexta (5)

Será realizado, nesta sexta-feira (05), no Auditório do Núcleo de Práticas Jurídicas da Universidade Federal do Piauí (UFPI), o lançamento da Biblioteca Virtual de...

Vacina contra Covid-19 em Teresina: veja quem pode ser vacinado hoje e o que fazer

A Prefeitura de Teresina começou a vacinação contra a Covid-19 no dia 19 de janeiro de 2021 e vem ampliando o público-alvo conforme chegam novas...

Casos de dengue têm aumento de quase 50% em relação a 2020 no Piauí

O Piauí já registrou 2.654 casos de dengue em 2021. O número é 44% maior que os casos registrados no mesmo período do ano...

Wellington Dias apresentará Edital PRO Verde na COP26

O governador do Piauí e presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, participará da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26), que...

Motoristas do transporte alternativo intermunicipal do Piauí fazem protesto no Palácio do Karnak

Um grupo de motoristas que fazem transporte alternativo de passageiros entre cidades do Piauí, o chamado transporte alternativo municipal, iniciou um protesto em frente...